Ninguém e eu



A solidão não escolhe idade nem pessoa...

Percebemos isso em “Ninguém e eu”, de Bart Mertens, ilustrações de Benjamin Leroy, editora Hedra educação. Os personagens não têm um nome específico. Trata- se de um garoto chamado “Ninguém” :


E de uma garota chamada “eu”:


A falta de nome dos personagens só comprova o fato de que a solidão pode tomar conta de qualquer pessoa. Ela chega esvaziando o nosso mundo, fazendo- nos perder a concepção de tempo e espaço.


Um dia, “Ninguém” encontrou algo para brincar. Foi muito legal!


Mesmo assim, ele continuava a sentir falta de alguém... Então, resolveu seguir a sua intuição. Quando fez isso, encontrou alguém tão sozinho quanto ele. E se surpreendeu com o início de algo muito especial...